Me Corte Na Boca do Céu, a Morte Não Pede Perdão (part. Milton Nascimento)

Criolo

Me corte na boca do céu a morte não pede perdão
É o tambor desse destino oblíquo na palma da mão
Abre a porta da Lua laranja aos montes quem lhe manjara
É que essa ponta solta é fumaça e chave que chapa a cara

Se os corais tivessem braços e pernas, pegariam em armas
Pra travar guerra civil com a terra fuzil de sub aquática
O estado acusa o golpe, fogueteiro não dá vacilo
E o que a faca arranca da cobra, dorme na zoeira do guizo

A mãe preta no barraco o mundo é injusto
Porque só sobrou pra ela o balaio do peso do amor
E eu me vesti de solidão, me vesti de solidão
E eu vou pro meio da rua, carnaval é multidão
Fantasia pra alegoria, teu posto é só uma ilusão
Há uma vaga em aberto na embaixada, há podridão
(E eu?)

Sem Deus no coração sou só uma unidade de carvão
E o menino carvoeiro na fé que move a nação
Ao ateu a reza e ao rezado a razão
E que no aterro da desgraça suba o cheiro da comunhão
Soldado morre na guerra do tráfico seu pai perguntou
Porque nobre não manda seu filho pra morrer com anel de doutor?
Na biqueira o outro filho com quem o irmão soldado trocou
Esticado em duas valas, dois filhos, um pai chorou
É que aqui só morre pobre, isso a TV não mostrou
Ou mostrou e eu nem percebi do sofismo que impregnou
Eu me vesti de solidão, me vesti de solidão
Eu vou pro meio da rua, carnaval é multidão
Fantasia pra alegoria, teu posto é só uma ilusão
Há uma vaga em aberto na embaixada há podridão

Eu me vesti de solidão, me vesti de solidão
Eu vou pro meio da rua, carnaval é multidão
Fantasia pra alegoria, teu posto é só uma ilusão
Há uma vaga em aberto na embaixada há podridão

Written by: Criolo / Tropkillaz
Sent by Carolline. Revised by Elvys.
Did you see an error? Send us your revision.