Cabra Cega

Marlene

Boto venda nos meus olhos
Como cabra-cega
Pra não ver o que me nega
O que não deve me negar
Justo eu que faço tudo
E não quero nada
Recebo sempre em troca uma bofetada

Quando alguém me apronta um tombo
Eu logo me levanto
Se disser que não me espanto
Estou querendo me enganar
Eu não creio no que esteja
Vindo de bandeja
De um modo ou de outro
Vão querer lucrar

Boto venda nos meus olhos
Como cabra-cega
Pra não ver o que me nega
O que não deve me negar
Justo eu que faço tudo
E não quero nada
Recebo sempre em troca uma bofetada