Não Me Rendo

Thiala Arlequina

Não se faça de maluco
Nem feche os seus olhos
Pra fingir não ver os abusos
Desse mundo velho
Tolerância quase zero
Do céu ao inferno
Onde quem impera é o ego
Se achando o sucesso

Exaltando o consumismo
Escravo do seu egoísmo
Tô pagando o seu racismo
Em cima de um povo sofrido

Fala sempre o que não sabe
Tudo tão ingênuo e fraco
Poder de fogo disfarçado
Teu sistema é falho

Não me diga o que fazer
Não me diga o que dizer
Não me rendo a ninguém
Nem a você
Não me diga o que fazer
Não me diga o que dizer
Não me rendo a ninguém
Nem a você
Não me diga o que fazer
Não me diga o que dizer
Não me rendo a ninguém
Nem a você

Estou buscando um novo mundo
E nele o que eu quero
É um fio de esperança
Sem medir critérios
Igualdade sem cobrança com humanidade
Todos de cabeça erguida com dignidade

Acabando o consumismo
Derrubando o egoísmo
Abolindo o racismo
Em cima de um povo sofrido
Nunca diga o que não sabe
Extermine a maldade
Seja forte, não covarde, sem usar atalhos

Não me diga o que fazer
Não me diga o que dizer
Não me rendo a ninguém
Nem a você
Não me diga o que fazer
Não me diga o que dizer
Não me rendo a ninguém
Nem a você

Não me diga o que fazer
Não me diga o que dizer
Não me rendo a ninguém
Nem a você
Não me diga o que fazer
Não me diga o que dizer
Não me rendo a ninguém
Nem a você

Down down down high society
Down down down high society
Down down down high society
Down down down high society

Written by: Thiala Arlequina
Sent by Eduarda. Revised by Anna.
Did you see an error? Send us your revision.