Às Vezes o Amor

Zeca Baleiro

Que hei de fazer
Eu tão nova e desamparada
Quando o amor
Me entra de repente
Pela porta da frente
E fica a porta escancarada

Vou te dizer
A luz começou em frestas
Se fores a ver
Enquanto assim durares
Se fores amada e amares
Dirás sempre palavras destas

Pra te ter
Pra que de mim não te zangues
Eu vou te dar
A pele, o meu cetim
Coração carmesim
As carnes e com elas sangues

Às vezes o amor
No calendário, noutro mês é dor
É cego e surdo e mudo

Às vezes o amor
No calendário, noutro mês é dor
É cego e surdo e mudo
E o dia tão diário disso tudo

E se um dia a razão
Fria e negra do destino
Deitar mão
À porta, à luz aberta
Que te deixe liberta
E do pássaro se ouça o trino

Por te querer
Vou abrir em mim dois espaços
Pra te dar
Enredo ao folhetim
A flor ao teu jardim
As pernas e com elas braços

Às vezes o amor
No calendário, noutro mês é dor
É cego e surdo e mudo

Às vezes o amor
No calendário, noutro mês é dor
É cego e surdo e mudo
E o dia tão diário disso tudo

Mas se tudo tem fim
Por que dar a um amor guarida?
Mesmo assim
Dá princípio ao começo
Se morreres só te peço
Da morte volta sempre em vida

Às vezes o amor
No calendário, noutro mês é dor
É cego e surdo e mudo

Às vezes o amor
No calendário, noutro mês é dor
É cego e surdo e mudo
E o dia tão diário disso tudo

Às vezes o amor
No calendário, noutro mês é dor
É cego e surdo e mudo

Às vezes o amor
No calendário, noutro mês é dor
É cego e surdo e mudo
E o dia tão diário disso tudo

Written by: Sérgio Godinho
Sent by Kelly. Subtitled by Kelly. Revised by Kelly.
Did you see an error? Send us your revision.



More songs by Zeca Baleiro

View all songs by Zeca Baleiro