A Máquina do Ontem

Zimun

O Futuro nos dá as boas vindas
Mas a Máquina do Ontem continua viva
Nos deixando no escuro da vida
Procurando alguma luz pra ver a saída

Ferragem não deixa que olhos se abram
O sal das lágrimas corroem o aço do amanhã
A mêcanica do pânico trava alavanca do avanço

Um​ olhar muda tudo
Imediato pira o mundo
O amanhã e o ontem
Separados por segundos
Esvaziar a mente
Da semente que não gera
E fugir do automático
Onde nada mais espera

Terra gira
Máquinas comandam
Tirando toda vida
Pela ordem que demandam
Seja!
Ser o quê!?
Perdidos por coisas pequenas
Não conseguem viver

Sem passos avante​
Futuro & passado
Cada dia mais distante
Toda a diferença
Fazem coisas semelhantes
Andamos atrasados e seguimos adiante
Ao instante que o inesperado te revela
De pequenos olhares grandioso se rebela!