Retrato de Um Forró

Luiz Gonzaga

Quando tu balança, dá um nó na minha pança
Quando tu balança, dá um nó na minha pança
Quando tu balança, dá um nó na minha pança
Quando tu balança, dá um nó na minha pança

Madrugada entrando e o fole gemendo
Poeira subindo e o suor descendo
Quem não tava bêbo, já tava querendo
E eu, cambaleando, ia te dizendo

Quando tu balança, dá um nó na minha pança
Quando tu balança, dá um nó na minha pança
Quando tu balança, dá um nó na minha pança
Quando tu balança, dá um nó na minha pança

Tava requebrando e eu naquele jogo
Eu tava me esquentando, mesmo sem ter fogo
Só batia palmas de pernas puxada
Como quem atira em onça-pintada

Quando tu balança, dá um nó na minha pança
Quando tu balança, dá um nó na minha pança
Quando tu balança, dá um nó na minha pança
Quando tu balança, dá um nó na minha pança

Madrugada entrando e o fole gemendo
Poeira subindo e o suor descendo
Quem não tava bêbo, já tava querendo
E eu, cambaleando, ia te dizendo

Quando tu balança, dá um nó na minha pança
Quando tu balança, dá um nó na minha pança
Quando tu balança, dá um nó na minha pança
Quando tu balança, dá um nó na minha pança

Quando tu balança, dá um nó na minha pança
Quando tu balança, dá um nó na minha pança
Quando tu balança, dá um nó na minha pança
Quando tu balança, dá um nó na minha pança

Written by: Luiz Gonzaga
Sent by Priscila. Revised by ISILDINHA.
Did you see an error? Send us your revision.



More songs by Luiz Gonzaga

View all songs by Luiz Gonzaga